689: “Arquitectura revolucionária”. Engenheira da NASA tem fórmula para nave espacial três vezes mais rápida do que as actuais

CIÊNCIA/TECNOLOGIA/ESPAÇO

NASA
Conceito artístico de vela solar da NASA

A chave para o projecto estará na nanotecnologia que permitirá uma revolução no processo de desenvolvimento do dispositivo.

Uma engenheira da NASA acredita ter uma fórmula para fabricar uma nave espacial funcional que chegará a Úrano em dois anos e a Neptuno em três.

De acordo com o El Confidencial, a ideia terá merecido a aprovação da agência espacial norte-americana, daí que tenha, inclusive, alocado verbas para a sua concretização no âmbito do sei programa de desenvolvimento de conceitos inovadores avançados em 2022.

À partida, a ideia em causa não é radicalmente diferente da que conhecemos de naves espaciais, as quais consistem em grandes superfícies espessas que tiram partido do vento solar para atingir velocidades inimagináveis com a tecnologia de propulsão química actual.

Na realidade, o que há de realmente inovador no conceito conhecido como SCOPE é a maneira como é integrada a instrumentação na mesma vela solar e a ideia de utilizar enxames de sondas leves para estudar planetas a alta velocidade.

Desta forma, o grande problema das velas solares ficaria resolvido: embora atinjam velocidades relativistas ao longo do tempo e possam atingir planetas ou outros sistemas solares em tempo recorde, a sua massa deve ser tão pequena que não possam transportar instrumentos como os actualmente montados em naves espaciais como a New Horizons, que visitou Plutão em 2015 após 10 anos em órbita.

A solução proposta por Mahmooda Sultana acaba com este desafio convertendo a vela solar num instrumento científico por direito próprio, graças à nanotecnologia.

A investigadora quer usar uma nano-rede para transformar a vela num espectrógrafo para estudar de perto os planetas fora do sistema solar.

De acordo com a NASA, “ao imprimir um espectrómetro quântico baseado em pontos presentes no material de vela solar, estes criarão uma arquitectura revolucionária de naves espaciais que permite um paralelismo sem precedentes e um desempenho de recolha de dados, e uma rápida viagem através do sistema solar”.

Ao contrário das velas solares convencionais que dependem de pequenos instrumentos inadequados para o estudo destes sistemas planetários, o relatório do projecto continua, SCOPE coloca a enorme área de velas para usar como espectrógrafo, “empurrando o limite da exploração científica do sistema solar exterior”.

Até agora, alcançar estes pontos demorava anos e custava centenas de milhões de dólares. O SCOPE resolveria os dois extremos.

De acordo com a autora da fórmula, a “ScienceCraft oferece uma plataforma atractiva de baixos recursos que pode permitir missões científicas a um custo significativamente mais baixo e proporcionar um grande número de oportunidades de lançamento como uma carga útil secundária”.

Por outras palavras, não haveria necessidade de um foguetão dedicado para a sua projecção, dado o seu pouco peso.

A ideia SCOPE, diz, é evolutiva porque várias destas velas com diferentes funções podem ser lançadas num sistema e ser usadas para recolher enormes quantidades de dados sobre elas.

A ideia de poder enviar um enxame destas velas solares para estudar planetas como Neptuno com uma viagem de apenas três anos é, no mínimo, extremamente interessante, apontam os especialistas.

  ZAP //
ZAP
7 Março, 2022