1030: Elon Musk afirma que terminaria com o bloqueio do Twitter a Trump

– Da consideração que possuis por este visionário cheio de “bago”… foi-se! Terminar o bloqueio no Twitter a um gajo que fez o que fez enquanto geriu os EUA? É igual a ele! Pela parte que me toca… o meu registo no Twitter já foi…

ELON MUSK/TWITTER

Anúncio caso a compra da rede social pelo multimilionário dono da Tesla sempre avance.

Elon Musk.
© Britta Pedersen / AFP

O empresário Elon Musk afirmou esta terça-feira que terminaria com o bloqueio do Twitter ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump, caso a sua compra desta rede social avance.

“Eu reverteria o bloqueio”, afirmou o multimilionário numa conferência do Financial Times, sublinhando no entanto que ainda não é proprietário do Twitter, pelo que “esta não é uma coisa que irá necessariamente acontecer”.

O negócio proposto pelo patrão da Tesla de adquirir aquela rede social por 44 mil milhões de dólares ainda terá de ser aprovado pelos accionistas e pelos reguladores, mas ele tem anunciado ideias de menos moderação de conteúdos naquela plataforma.

Diário de Notícias
DN/AFP
10 Maio 2022 — 19:19


Pelas vítimas do genocídio praticado
pela União Soviética de Putin, na Ucrânia
For the victims of the genocide practiced
by the Soviet Union of Putin, in Ukraine


 

972: A maior rede social descentralizada da internet explode depois da compra do Twitter

TECNOLOGIA/MASTODON/REDE SOCIAL

A compra do Twitter por parte de Elon Musk tem dado muito que falar. Um dos dados interessantes e que a rede social já está a avaliar é o abandono por parte de muitos utilizadores. Estarão eles simplesmente a sair das redes sociais ou a migrar para a concorrência?

Segundo dados recentes, a rede social Mastodon, auto-denominada de “maior rede social descentralizada da Internet”, teve um enorme crescimento depois da compra do Twitter.

A app Mastodon tem vindo a ser falada já há várias semanas como uma alternativa ao Twitter. Apesar disso, foi com as notícias da compra do Twitter que a rede social de código aberto viu aumentados de forma exponencial os seus utilizadores.

As notícias da compra do Twitter abalaram os funcionários e utilizadores da rede social, uma vez que Musk pretende que esta passe a ser uma rede social onde há “liberdade de expressão”, adoptando uma abordagem muito mais prática à moderação de conteúdo. Não se imagina o que será o Twitter depois desta compra, mas a hashtag #RIPTWITTER é uma tendência.

Além disso, muitos foram os utilizadores que assumiram ter deixado a rede… mas outros tantos parecem ter finalmente visto nela uma possibilidade de expressar as suas opiniões livremente.

Tal como noticiámos, depois das notícias da compra, o número de seguidores de contas como a de Katy Perry e Barack Obama diminuiu drasticamente, sendo que a primeira perdeu mais de 200.000 seguidores e o segundo mais de 300.000. Por sua vez, Marjorie Taylor Greene viu o seu número de seguidores aumentar de 539.000 para 632.000. Jair Bolsonaro, outro actor altamente associado à direita, reuniu quase 90.000 novos seguidores.

Twitter obriga a olhar para a concorrência e Mastodon parece ser a opção

Algumas horas após o anúncio da aquisição do Twitter, a equipa da Mastodon referiu que viu “um influxo de aproximadamente 41.287 utilizadores. Desses, cerca de 30.000 eram novos utilizadores, escreveu o fundador do Mastodon, Eugen Rochko, num artigo no blog.

Curiosamente, uma das razões pelas quais comecei a olhar para o espaço das redes sociais descentralizadas em 2016, e que me levou a criar o Mastodon, foram os rumores de que o Twitter, a plataforma da qual eu era utilizador diário há anos, poderia ser vendido a outro bilionário controverso. Entre, é claro, outras razões, como todas as terríveis decisões sobre produtos que o Twitter estava a adoptar naquela época. E agora, finalmente aconteceu, e pelas mesmas razões, pessoas em massa estão a vir para o Mastodon.

Segundo o Sensor Tower, o download das apps para Android e iOS estão igualmente a sofrer um aumento. Desde segunda-feira que a app já foi instalada mais de 5000 vezes, ocupando já o 32º lugar na App Store. Apesar de tudo, não se pode falar que a app seja já mainstream ou que sequer lá chegue um dia.

Pplware
Autor: Maria Inês Coelho