869: Assembleia Municipal de Lisboa recomenda transportes gratuitos para jovens, idosos, desempregados e deficientes

– Não é necessário ser-se matemático ou “especialista” para aferir quais são os partidos políticos que verdadeiramente não apoiam os mais desfavorecidos deste país! Senão, vejamos:
– A proposta do BE de criar o Programa Municipal para a Gratuitidade dos Transportes Públicos, com os votos contra de PSD, CDS-PP, PCP, PEV, IL, MPT, PPM, PAN, Aliança e Chega, e os votos a favor de PS, BE, Livre e deputados independentes do Cidadãos por Lisboa (eleitos pela coligação PS/Livre).
– A proposta foi depois votada por pontos, tendo sido aprovado o público-alvo que deve beneficiar de transportes públicos colectivos gratuitos, com os votos contra de PSD, CDS-PP, IL e Aliança, a abstenção de PCP e PEV e os votos a favor PS, BE, PAN, MPT, PPM, Livre, Chega e deputados independentes.
– A assembleia recomendou que os transportes públicos devem ser gratuitos para os residentes em Lisboa que tenham mais de 64 anos ou menos de 24, assim como desempregados e inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pessoas com deficiência motora, física ou orgânica que tenham uma limitação funcional de carácter permanente de grau igual ou superior a 60%.
Para toda esta choldra política que possui mordomias várias, dar gratuitidade nos transportes públicos a DESEMPREGADOS e DEFICIENTES, é injusto? BARDAMERDA!!!

SOCIEDADE/PARTIDOS POLÍTICOS

Para este ano, o orçamento municipal de Lisboa tem inscrita uma dotação de 12 milhões de euros para medidas de transportes públicos gratuitos.

© Global Imagens

A Assembleia Municipal de Lisboa recomendou na terça-feira à câmara que garanta transportes públicos colectivos gratuitos para residentes na cidade menores de 23 anos, maiores de 65 anos, desempregados e com deficiência.

A proposta do BE de criar o Programa Municipal para a Gratuitidade dos Transportes Públicos, com os votos contra de PSD, CDS-PP, PCP, PEV, IL, MPT, PPM, PAN, Aliança e Chega, e os votos a favor de PS, BE, Livre e deputados independentes do Cidadãos por Lisboa (eleitos pela coligação PS/Livre).

A proposta foi depois votada por pontos, tendo sido aprovado o público-alvo que deve beneficiar de transportes públicos colectivos gratuitos, com os votos contra de PSD, CDS-PP, IL e Aliança, a abstenção de PCP e PEV e os votos a favor PS, BE, PAN, MPT, PPM, Livre, Chega e deputados independentes.

A assembleia recomendou que os transportes públicos devem ser gratuitos para os residentes em Lisboa que tenham mais de 64 anos ou menos de 24, assim como desempregados e inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pessoas com deficiência motora, física ou orgânica que tenham uma limitação funcional de carácter permanente de grau igual ou superior a 60%.

O BE sugeriu que as medidas deviam incluir a Carris, o Metropolitano de Lisboa e a CP – Comboios de Portugal, devendo ser articuladas com a área metropolitana, mas como essa indicação estava associada ao Programa Municipal para a Gratuitidade dos Transportes Públicos, que foi chumbado, acabou por ficar prejudicada.

O deputado do PSD Luís Newton acusou o BE de “puro oportunismo político” e de “apropriação política” de uma das principais bandeiras da coligação Novos Tempos (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) durante a campanha eleitoral para as autárquicas.

A deputada do BE Isabel Pires lembrou que a primeira proposta que deu entrada na Câmara Municipal de Lisboa no actual mandato 2021-2025 foi apresentada pelo BE, sobre a gratuitidade dos transportes públicos colectivos.

A proposta ainda aguarda discussão e votação por “bloqueio objectivo por parte do presidente da Câmara”, Carlos Moedas, lamentou Isabel Pires.

O vice-presidente da Câmara de Lisboa, Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP), rejeitou a acusação, referindo que houve uma audição, no final de 2021, para a preparação do orçamento municipal, em que foi sinalizada a vontade de permitir passes gratuitos.

“Dois ou três dias depois o BE precipitou-se com uma proposta na câmara, querendo dar a impressão que eram os primeiros a apresentar uma proposta”, acusou o vice-presidente.

Filipe Anacoreta Correia considerou que seria conveniente que a proposta de transportes públicos gratuitos fosse “partilhada, discutida e ouvidas todas as partes” do executivo camarário, por ser uma matéria com relevância para a cidade.

O executivo prevê que “no início da próxima semana” seja possível fazer essa discussão em câmara com as várias iniciativas, disse o vice-presidente.

Para este ano, o orçamento municipal de Lisboa tem inscrita uma dotação de 12 milhões de euros para medidas de transportes públicos gratuitos.

Diário de Notícias
Lusa/DN
06 Abril 2022 — 08:11

 



 

842: Carris Metropolitana acaba com 902 tipos de bilhetes

SOCIEDADE/TRANSPORTES PÚBLICOS

O novo sistema de transporte rodoviário da Área Metropolitana de Lisboa entra em funcionamento a 1 de Junho. Passa a existir apenas três tipos de bilhetes.

© Global Imagens

A entrada em funcionamento da Carris Metropolitana, novo sistema de transporte rodoviário da Área Metropolitana de Lisboa, em 01 de Junho, vai acabar com 902 tipologias de bilhetes e são criadas três novas.

“Com a nova criação da entrada em vigor do novo sistema de transporte rodoviário a 01 de Junho e 01 de Julho, temos de adaptar o novo sistema de bilhetes, o que chamamos ocasionais, à nova rede porque os operadores desaparecem como tal”, explicou à Lusa o primeiro-secretário metropolitano, Carlos Humberto.

De acordo com o responsável, os operadores como a Vimeca ou a Transportes Sul do Tejo “desaparecem e são substituídos por um serviço que tem uma marca que é a Carris Metropolitana”.

“Portanto, toda a lógica de funcionamento de bilhetes da Vimeca ou da Rodoviária de Lisboa desaparecem porque deixam de prestar serviço”, acrescentou, sublinhando que os utentes vão ter de passar a comprar bilhetes que são da Carris Metropolitana de Lisboa.

Segundo Carlos Humberto, todos os bilhetes usados actualmente, e que podem ser utilizados até 01 de Junho ou 01 de Julho, vão deixar de existir, salientando que se trata de “uma filosofia completamente distinta” da que existia até agora.

“Todos desaparecem, são 902 tipologias de bilhetes que desaparecem e são criadas três novas tipologias, compra a bordo ao motorista ou pré-comprado”, disse.

Carlos Humberto lembrou que a nova bilhética irá começar a ser já implementada em 01 de Junho, quando entrar em funcionamento a Carris Metropolitana na área 4, a de menor dimensão relativa aos municípios da margem Sul: Alcochete, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal.

Para as restantes áreas, 1, 2 e 3, a nova bilhética entra em acção em 01 de Julho.

A Carris Metropolitana, marca única e integrada dos transportes urbanos da Área Metropolitana Lisboa, é lançada oficialmente esta sexta-feira, em Lisboa.

AML dividida em quatro áreas

Em termos de circulação de transportes, a AML ficou dividida por quatro áreas, sendo que a área 1 engloba as carreiras dos municípios da Amadora, Oeiras e Sintra, e intermunicipais de ligação a Lisboa e Cascais, que vão ser operadas pela empresa Viação Alvorada, tendo 133 linhas (35 das quais novas).

Já a área 2, corresponde aos municípios de Mafra, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira (operados pela empresa Rodoviária de Lisboa) e intermunicipais de ligação a Lisboa, com 218 linhas (31 novas), enquanto a área 3 corresponde a Almada, Seixal e Sesimbra, que será operada pela empresa Arriva, e intermunicipais de ligação ao Barreiro e Lisboa, com 116 linhas (43 novas).

A área 4 diz respeito aos municípios de Alcochete, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal, será operada pela empresa Alça Todi, e intermunicipais de ligação ao Barreiro e Lisboa, prevê 111 linhas (21 novas), e é a primeira a entrar em funcionamento, em 01 de Junho.

A nova bilhética será da responsabilidade do orçamento da Transportes Metropolitanos de Lisboa, empresa responsável por toda a operação de serviço público de transporte rodoviário de passageiros municipal e inter-municipal através da Carris Metropolitana, marca única e integradora da operação rodoviária, sendo também responsável pela gestão do sistema de bilhética do Metropolitano.

Diário de Notícias
Lusa/DN
01 Abril 2022 — 07:28

 



 

240: Passe Antigo Combatente

A partir de 5 de Novembro (6.ª feira), o Passe Navegante Antigo Combatente passa a estar disponível nas Lojas CARRIS.

Pode ser adquirido por todos os Antigos Combatentes e Viúvas de Antigos Combatentes, titulares de Cartão de Antigo(a) Combatente ou de Viúva(o) de Antigo(a) Combatente – emitido pela Direcção Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN). O domicílio fiscal do requerente tem que estar registado na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

O Passe Navegante Antigo Combatente é válido para qualquer percurso, em todos os operadores de serviço público de transporte regular, dentro de um único município (Navegante Municipal) ou em todos os 18 municípios da AML (Navegante Metropolitano).

Veja aqui como obter o Passe Antigo Combatente >>

 A Portaria n.º 198/2021 de 21 de Setembro define as condições de atribuição do Passe de Antigo Combatente e os procedimentos relativos à sua operacionalização em consonância com o estabelecido no Estatuto do Antigo Combatente (EAC), aprovado pela Lei n.º 46/2020, de 20 de Agosto.

Data de publicação: 05/11/2021

Carris

Antigo Combatente

O Passe Navegante Antigo Combatente é um título mensal, destinado a todos os Antigos Combatentes e Viúvas de Antigos Combatentes titulares de Cartão de Antigo Combatente ou de Viúva(o) de Antigo Combatente.

Quem pode requerer

Todos os Antigos Combatentes e Viúvas de Antigos Combatentes, titulares de Cartão de Antigo Combatente ou de Viúva(o) de Antigo Combatente, emitido pela Direcção Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN).

Devem ainda possuir domicílio fiscal na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

Como obter

Primeiro tem que efectuar o pedido de adesão ao perfil de Antigo Combatente, deverá anualmente entregar/apresentar a seguinte documentação, no caso da CARRIS, numa das Lojas CARRIS:

  • Cartão Lisboa Viva ou Navegante válido

Se o cliente já tiver cartão Navegante/Lisboa Viva, este perfil é “gravado” no cartão do cliente. Caso contrário pode ser solicitada nesta fase a emissão de um novo cartão, com a entrega da habitual requisição de cartão Navegante ou realizado em loja na vertente “Passe em 15 minutos”, sendo que o custo do mesmo será suportado pelo Antigo Combatente ou Viúvas(os) de Antigo Combatente.

Após ter concluído os passos referidos, basta carregar o título, mensalmente, numa Loja CARRIS.

Títulos disponíveis

Antigo Combatente e Viúvas(os) de Antigo Combatente com idade inferior a 65 anos

Navegante Municipal | Gratuito

(Válido no Município associado ao domicílio fiscal)

Navegante Metropolitano | 10€

(Válido em toda a AML)

Antigo Combatente e Viúvas(os) de Antigo Combatente com idade superior a 65 anos

Navegante +65 | Gratuito

(válido em toda a AML)

Mais informação:

ver documento em formato PDF: navegante-antigo-combatente-2

 

Finalmente…!!!

– Pena que a notícia não coloque os endereços (links) para os ex-combatentes “Para poder aceder a este passe, os antigos combatentes devem “preencher o requerimento de adesão, disponível online e junto dos operadores de transporte””. Online mas onde? E os tais 45 dias começam a contar de quando? A medida entra em vigor depois de terminado o prazo de 45 dias dado às entidades envolvidas, adianta a nota, “nomeadamente o IMT, I.P, Áreas Metropolitanas (AM), operadores de transportes públicos de passageiros e entidades gestoras de sistemas de bilhética, para poderem adaptar os seus sistemas”“. Se esses 45 dias forem contados a partir de agora, lá para finais de Dezembro, a título de “prenda” de natal, os mancebos que andaram a dar ao coirão na guerra colonial, arriscando as suas vidas, vão ter uma borla nos transportes…

– Posteriormente à publicação deste artigo e depois de consultado o site da Carris, a informação já se encontra disponível naquele site e PUBLICADA AQUI.

Antigos combatentes já podem pedir passe para ter transportes gratuitos

O Passe de Antigo Combatente é uma modalidade tarifária que confere uma isenção do pagamento do título mensal ou a utilização de 30 dias consecutivos, intermodal ou monomodal, vigentes nos serviços de transporte público de passageiros das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.

© TIAGO PETINGA/LUSA

Os ex-combatentes que tenham o Cartão do Antigo Combatente ou cartão de viúvo/viúva destes já podem pedir o respectivo passe para ter acesso a transportes públicos gratuitos, uma medida prevista no estatuto aprovado em 2020.

De acordo com uma nota do Ministério da Defesa, a partir desta sexta-feira “os titulares do cartão de antigo combatente e do cartão de viúva(o) de antigo combatente já podem requerer o Passe de Antigo Combatente”.

A medida entra em vigor depois de terminado o prazo de 45 dias dado às entidades envolvidas, adianta a nota, “nomeadamente o IMT, I.P, Áreas Metropolitanas (AM), operadores de transportes públicos de passageiros e entidades gestoras de sistemas de bilhética, para poderem adaptar os seus sistemas”.

Para poder aceder a este passe, os antigos combatentes devem “preencher o requerimento de adesão, disponível online e junto dos operadores de transporte”, que deverá ser entregue acompanhado de três documentos: o cartão de antigo combatente ou cartão de viúva(o) de antigo combatente, o cartão de cidadão ou outro título válido equivalente e um comprovativo de morada fiscal de residência habitual.

O Passe de Antigo Combatente é uma modalidade tarifária que confere uma isenção do pagamento do título mensal ou de utilização de 30 dias consecutivos, intermodal ou monomodal, vigentes nos serviços de transporte público de passageiros das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto ou Comunidade Inter-municipal do concelho de residência habitual do beneficiário, refere a tutela.

A operacionalização da medida “é da competência da Direcção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN), das autoridades de transportes da Área Metropolitana de Lisboa (AML) e da Área Metropolitana do Porto (AMP) e do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT, I.P.), no resto do país”, lê-se ainda na nota.

Em 21 de Setembro o Governo definiu as condições de atribuição do passe de antigo combatente, prevendo-se na altura que os ex-combatentes tivessem transportes públicos gratuitos em cerca de mês e meio, de acordo com a portaria publicada em Diário da República.

Essa portaria define que caso o tarifário vigente disponibilize títulos de rede ou de área, válidos para zonas urbanas ou municípios, o passe do antigo combatente “será o requisitado pelo beneficiário e necessário para as suas deslocações habituais, dentro do município de residência habitual, podendo o beneficiário optar pelo título de rede ou de área válido para a comunidade inter-municipal ou área metropolitana quando o tarifário vigente não for superior ao tarifário municipal de maior valor, em vigor na respectiva comunidade inter-municipal ou área metropolitana”.

Já nos casos em que o tarifário assenta em assinaturas de linha, o passe será o requisitado pelo beneficiário, de acordo com as suas necessidades de deslocação habitual, “até ao escalão máximo de distância de 32 km, a contar da sua localidade de residência habitual”.

O Estatuto do Antigo combatente, aprovado no parlamento em Agosto de 2020, prevê o direito de preferência na habitação social, isenção de taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde, passe intermodal e entrada para museus e monumentos grátis e honras fúnebres especiais a ex-combatentes, entre outras medidas.

Diário de Notícias
Lusa
05 Novembro 2021 — 12:18

 

217: Com esta app pode carregar passe dos transportes de Lisboa no telemóvel

– Acabei de a descarregar, instalar, configurar mas como apenas a partir de dia 27 fica operacional, não foi possível avançar muito. Esperemos o dia do lançamento oficial.

Através de aplicação desenvolvida em Portugal, será possível carregar passe Navegante no telemóvel e ainda comprar bilhetes para os comboios da Fertagus e os autocarros da SulFertagus.

Setúbal, 05/11/2019 – Estação da Fertagus em Setúbal no âmbito da reportagem sobre os transportes públicos na área metropolitana de Lisboa depois da criação do passe Navegante. (Filipa Bernardo/ Global Imagens)
© Filipa Bernardo/ Global Imagens

A partir de terça-feira, 26 de Outubro, poderá carregar o passe mensal dos transportes da Área Metropolitana de Lisboa através de uma aplicação no telemóvel. A solução também servirá para comprar bilhetes para os comboios da Fertagus e os autocarros da SulFertagus, segundo o anúncio feito na segunda-feira.

Para carregar o cartão Lisboa Viva/Navegante no telemóvel terá de instalar a aplicação Pick Hub, desenvolvida pela startup ​​​​​​​portuguesa Ubirider.

Depois do registo do utilizador e do meio de pagamento (cartão de crédito ou MB Way), terá de accionar a tecnologia NFC (sem contacto) e encostar o cartão ao telemóvel. A funcionalidade está disponível em smartphones com sistema operativo Android e Huawei, além do iPhone 7 ou superior.

A aplicação Pick Hub foi desenvolvida pela Ubirider, startup do Porto liderada por Paulo Ferreira dos Santos e que conta com o grupo Barraqueiro – concessionário da Fertagus – como um dos investidores.

Dinheiro Vivo

25 Outubro, 2021 • 11:26

 

113: Ex-combatentes revoltados e desiludidos com atrasos na gratuitidade dos transportes

No passado dia 8 de Agosto, inseri este artigo neste meu Blogue:

Ex-combatentes revoltados e desiludidos com atrasos na gratuitidade dos transportes

Sim, revoltados porque as leis foram aprovadas e por porras de burrocracia sem sentido, continuam sem serem postas na prática. Estão à espera que os ex-combatentes vão morrendo aos poucos (a maioria com mais de 70 anos) para no final, quando tudo estiver “ajustado”, darem as migalhas da gratuitidade dos transportes aos que restarem na altura.

É estranho o comandante supremo das Forças Armadas, concomitantemente presidente da República Portuguesa, ainda não ter dito nada sobre esta situação, ele que anda sempre metido no meio do barulho produzido pelas “desgraças” que vão surgindo aqui e acolá!

Pois é camaradas ex-combatentes, nós que andámos a dar o corpinho ao manifesto pela guerra do Ultramar, nós que vimos camaradas nossos morrerem ao nosso lado uns, estropiados outros, temos de aguentar a mola porque não há mesmo nada a fazer com estes políticos, com  esta governança e com este pseudo regime “democrático”!

Recebi hoje um e-mail, em resposta aos meus anteriores e-mails dirigidos à Sra. Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, Dra. Catarina Sarmento e Castro, com o seguinte teor:

seg 30/08/2021 14:43
De: Antigos Combatentes <antigos.combatentes@defesa.pt>
Assunto: Cartão do Combatente- Passe Intermodal

Exmo. Senhor

Francisco Gomes,

Acusamos a recepção do seu e-mail infra e informamos que a gratuitidade dos transportes públicos das áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais, prevista no artigo 17.º do Estatuto do Antigo Combatente, é uma medida que carece ainda da adopção de um conjunto de actos de natureza regulamentar que não dependem exclusivamente da área governativa da Defesa Nacional, encontrando-se este Ministério a desenvolver todos os esforços para que possa ser implementada no mais curto espaço de tempo.

Assim, cumpre-nos informar que este beneficio ainda não se encontra disponível.

Com os melhores cumprimentos,

RICARDO ESTEVES
Assistente Técnico

Direcção-Geral de Recursos da Defesa Nacional

Direcção de Serviços de Saúde Militar e Assuntos Sociais
Av. Ilha da Madeira, nº 1 – 4º Piso
1400-204 Lisboa, PORTUGAL
TEL + 351 21 380 42 00

(texto corrigido para ortografia de português ibérico A.O.)

E assim, rapaziada da pesada, vamos cantando loas a estes políticos que não se interessam absolutamente nada por quem andou a arriscar a vida na guerra, OBRIGADO a isso pelo regime fascista de Salazar.

 

107: Transportes Públicos

Andar nos transportes públicos é uma verdadeira aventura. Pelas situações mais incríveis e inesperadas que vão surgindo ao longo de cada percurso, seja ele em autocarros ou eléctricos.

Há dias, no princípio do mês, tomei um eléctrico “lombriga”, o 15, que normalmente efectua o percurso Algés -> Pr. Figueira -> Algés que parecia ir a pisar cascas de ovos, tal a lentidão com que efectuou o trajecto de Alcântara a Algés. A pé, penso que podia vencer a corrida!

Ontem, fui a Algés numa alternativa ao eléctrico “lombriga”, um autocarro que estava a fazer o mesmo percurso com a designação 15E e que de vez em quando é utilizado pela Carris para esse fim.

De certeza absoluta que o sr. Fernando Medina, digníssimo Presidente da C.M.L. e gestor da Carris, nunca fez esse percurso, num autocarro da sua empresa, mesmo daqueles modelos a Gás Natural. E das duas uma: ou a suspensão das viaturas estão todas desarranjadas ou então é mesmo do piso – tanto faz em alcatrão como em paralelepípedo – porque viajar numa viatura daquelas, mesmo nas mais recentes ao serviço da Carris, é quase que andar numa carroça puxada por uma mula!

Tenho pena das senhoras que se fizerem o percurso completo, devem de chegar ao terminal com os ovários bastante doridos, tal os solavancos e trepidações que sofrem.

Mas aproveito esta “deixa” para relatar um episódio que se deu com a minha filha Vera, ao deslocar-se para o trabalho (já não se diz emprego porque isso era há uns anos atrás). De casa até ao local da empresa onde trabalha, tem de tomar QUATRO transportes: dois na Carris e dois na Vimeca.

Ora, numa das viaturas da Vimeca e num desses dois percursos, o penúltimo, ao chegar ao Estádio do Belenenses, um dos vidros da viatura partiu-se devido aos solavancos do mau estado da carroçaria ou do piso (penso que o piso do local é de alcatrão mas eventualmente com buracos, tudo pode acontecer).

E a janela da viatura ficou assim:

Resultado: todo o pessoal teve de sair e esperar pela próxima carreira, causando atrasos na chegada ao local de trabalho.

O que eu não entendo, é como viaturas aparentemente recentes, têm este comportamento rodoviário. Mas os responsáveis pela gestão da frota, andam em carros topos de gama e nem dão pelo eventual mau estado dos pisos…

24.08.2021