825: Investigadores mapeiam o movimento das anãs brancas na Via Láctea

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Ilustração de uma anã branca.
Crédito: NASA, ESA, STScI e G. Bacon (STScI)

As anãs brancas foram outrora estrelas normais semelhantes ao Sol, mas que colapsaram depois de esgotarem todo o seu combustível. Estes remanescentes interestelares têm sido historicamente difíceis de estudar. No entanto, um estudo recente da Universidade de Lund, na Suécia, revela novas informações sobre os padrões de movimento destas estrelas intrigantes.

As anãs brancas têm um raio de cerca de 1% do raio do Sol. Têm aproximadamente a mesma massa, o que significa que têm uma densidade surpreendente de cerca de 1 tonelada por centímetro cúbico. Após milhares de milhões de anos, as anãs brancas arrefecem até um ponto em que deixam de emitir luz visível e transformam-se nas chamadas anãs negras.

A primeira anã branca descoberta foi 40 Eridani A. É um corpo celeste brilhante a 16,2 anos-luz da Terra, rodeado por um sistema binário composto pela anã branca 40 Eridani B e pela anã vermelha 40 Eridani C. Desde que foi descoberta em 1783 que os astrónomos têm tentado aprender mais sobre as anãs brancas a fim de adquirirem uma compreensão mais profunda da história evolutiva da nossa Galáxia.

Num estudo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, uma equipa de investigação apresentou novas descobertas sobre a forma como as estrelas colapsadas se movem.

“Graças às observações do telescópio espacial Gaia, conseguimos pela primeira vez revelar a distribuição tridimensional da velocidade para o maior catálogo de anãs brancas até à data. Isto dá-nos uma imagem detalhada da sua estrutura de velocidade com detalhes inigualáveis”, diz Daniel Mikkola, estudante de doutoramento em astronomia na Universidade de Lund.

Graças ao Gaia, os investigadores mediram posições e velocidades para cerca de 1,5 mil milhões de estrelas. Mas só recentemente foram capazes de se concentrar completamente nas anãs brancas na vizinhança solar.

“Conseguimos mapear as velocidades das anãs brancas e os padrões de movimento. O Gaia revelou que existem duas sequências paralelas de anãs brancas ao olhar para a sua temperatura e brilho. Se as estudarmos separadamente, podemos ver que elas provavelmente se movem de modo diferente, provavelmente como consequência de terem massas e vidas diferentes,” diz Daniel Mikkola.

Os resultados podem ser utilizados para desenvolver novas simulações e modelos para continuar a mapear a história e desenvolvimento da Via Láctea. Através de um maior conhecimento das anãs brancas, os investigadores esperam ser capazes de esclarecer uma série de pontos de interrogação em torno do nascimento da Via Láctea.

“Este estudo é importante porque aprendemos mais sobre as regiões mais próximas na nossa Galáxia. Os resultados também são interessantes porque a nossa própria estrela, o Sol, irá um dia transformar-se numa anã branca como 97% de todas as estrelas na Via Láctea,” conclui Daniel Mikkola.

Astronomia On-line
29 de Março de 2022

Impressão de artista do Gaia a mapear as estrelas da Via Láctea.
Crédito: ESA/ATG medialab; fundo – ESO/S. Brunier