506: SpaceX enviou para o espaço um novo grupo de 49 satélites da sua rede Starlink

  Já são poucos os que por lá andam… O Elon Musk quer lá saber do capaz de alcançar eficazmente áreas remotas ou rurais, para criar uma rede Internet de banda larga… $$$$$$$$$

TECNOLOGIA/SPACE X/STARLINK

O programa Starlink da SpaceX visa colocar em órbita um grande número de satélites artificiais para criar uma rede Internet de banda larga, capaz de alcançar eficazmente áreas remotas ou rurais.

© Twitter SpaceX

SpaceX enviou para o espaço um novo grupo de 49 satélites da sua rede Starlink, que se juntaram a uma “constelação” de 2.000 satélites de Internet de banda larga, construídos pela empresa privada e colocados em órbita.

O grupo de satélites, cada um pesando mais de um quarto de tonelada, viajou dentro da carenagem de um foguete Falcon 9 que descolou às 13:13 de quinta-feira (18:13 em Lisboa) do Centro Espacial Kennedy no Cabo Canaveral, na Florida.

Menos de dez minutos depois, o impulsionador Falcon 9 aterrou com sucesso numa plataforma no Oceano Atlântico, a poucos quilómetros a leste do centro Kennedy, para posterior reutilização.

Tratou-se da sexta recuperação deste impulsionador que, segundo a firma fundada por Elon Musk, voou anteriormente nas duas primeiras missões tripuladas do SpaceX para a Estação Espacial Internacional (ISS), Crew-1 e Crew-2.

Como planeado, quinze minutos após a descolagem, os quase 50 satélites foram colocados em órbita baixa pelo Falcon 9, segundo anunciou a empresa.

O grupo de satélites de quinta-feira, denominado Grupo 4-7, é o terceiro carregamento da rede de satélites Starlink do SpaceX deste ano, após duas missões em Janeiro.

A descolagem faz parte do programa Starlink, que visa colocar em órbita um grande número de satélites artificiais para criar uma rede Internet de banda larga, capaz de alcançar eficazmente áreas remotas ou rurais.

A empresa explicou que, enquanto a maioria dos serviços de Internet via satélite provém de satélites em órbita a cerca de 35.000 quilómetros da terra, o enxame Starlink está muito mais próximo, a cerca de 550 quilómetros, o que lhe permite reduzir o tempo de viagem de dados entre o utilizador e o satélite.

Diário de Notícias
DN/Lusa
04 Fevereiro 2022 — 07:54


Web designer
HTML Programmer
Network Engineering and Computer Systems



 

478: Outro satélite da Starlink “entrou” na atmosfera e a explosão foi vista no Brasil

CIÊNCIA/TECNOLOGIA/STARLINK

Há cerca de uma semana, o satélite da Starlink 2200 saiu de órbita e desintegrou-se na atmosfera da Terra. Na altura a bola de fogo foi vista na Península Ibérica. Ontem, no outro lado do Atlântico, apareceu um estranho fenómeno luminoso no céu do Maranhão e do Tocantins.

Segundo especialistas, foi uma reentrada indesejada na nossa atmosfera – talvez um pequeno satélite Starlink, lançado em 2020.

Starlink perde mais um satélite

A SpaceX tem planos para colocar a funcionar uma constelação de 12 mil satélites (com potencial de expansão para 42 mil). Esta rede conseguirá fornecer banda larga para qualquer lugar do mundo.

Os satélites de Musk não são geo-estacionários. O plano é que eles ocupem órbitas muito mais baixas, entre 340 km e 1.150 km de altitude. Isso diminui a distância que o sinal necessita de percorrer e melhora a latência.

Estes pequenos satélites da rede proprietária da SpaceX pesam cerca de 260 kg. Quando avariam ou chegam ao fim de vida, o seu cemitério é a Terra.

Vídeos mostram satélite Starlink a cair sobre o Brasil

Os residentes da cidade de Imperatriz (MA) e de Araguaína (TO) puderam registar o momento em que um satélite sai de órbita e desintegrou-se na nossa atmosfera. A bola de fogo cruzou o céu por volta das 23 horas locais.

Um indício de que era lixo espacial foi a lenta velocidade da bola de fogo, isto é, a passagem durou mais de 20 segundos. Se fosse um meteorito era bem mais rápido, assim como se fosse um avião.

Era muito brilhante, tinha uma bola maior e muitas bolas pequenas juntas, e passou lentamente, e pelo ângulo vi que era como se estivesse a voltar ao ao chão, foi inacreditável.

Disse uma moradora que viu a bola de fogo e disse que tinha um brilho laranja.

De volta à atmosfera

Há cada vez mais satélites a preencher a órbita da Terra. Como tal, começa a ser “normal” as reentradas de peças, e de lixo espacial após o término da sua missão. Contudo, iremos começar a ver cada vez mais satélites a caminho da sua destruição na atmosfera.

Alguns deles têm uma data de validade, outros têm defeitos, e no final são “desfeitos”, incinerados pelo atrito ao atravessar as camadas de gases até chegarem ao solo. Estes acontecimentos nem sempre são controlados.

Quando chegam à nossa atmosfera a uma velocidade muito alta, e ao queimarem, geram um fenómeno de iluminação, como se viu ontem no Brasil. As cores do rasto dependem da construção do equipamento, do combustível e da contenção dos gases.

Alguém correu perigo?

Durante o processo, o objecto destrói-se,  desintegra-se, evapora-se quase por completo. Nesse sentido, se estas partículas atingirem o solo, serão muito pequenas. Portanto, fique descansado. O risco de ferimentos ou destruição a partir destes detritos é praticamente inexistente.

Esta reentrada era mais ou menos expectável. Segundo informações, o satélite n.º 1840 foi lançado a 25 de Novembro de 2020, a partir da Base Aérea do Cabo Canaveral, Florida (EUA), no 14.º lote do projecto.

Até agora, houve 34 lançamentos, que colocaram quase 2.000 mini-satélites Starlink na órbita da Terra.

Pplware
Autor: Vítor M.
30 Jan 2022


Web designer
HTML Programmer
Network Engineering and Computer Systems