1261: Satan II: Míssil russo é capaz de atingir o Reino Unido em 3 minutos

AMEAÇAS/UNIÃO SOVIÉTICA/DEMÊNCIA PUTINEIRA

Apesar de tudo o que tem estado a acontecer derivado da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, Vladimir Putin não tem sido muito interventivo. No entanto, nas poucas intervenções que fez, tenta “espalhar” o medo, ameaçando países, exércitos e civis.

Vladimir Putin ameaçou agora implantar o míssil nuclear Satan II, até ao final do ano. Este míssil pode chegar ao Reino Unido em três minutos.

Satan II pode alcançar alvos até 18 mil kms

O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que o Kremlin implantará o seu mais novo míssil balístico intercontinental, o Satan II, capaz de atingir a Grã-Bretanha em três minutos. Essa implementação pode acontecer até final do ano. De referir que a Rússia já realizou um teste bem-sucedido com esta poderosa arma que tem a capacidade, por exemplo, de atacar os EUA ou o Reino Unido em apenas três minutos.

O novo míssil nuclear balístico intercontinental designado de RS-28 Sarmat e foi apelido ‘Satanás II’ (Satan ll, em inglês) pela OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) ou NATO.

Segundo Putin, o míssil balístico intercontinental de quinta geração Sarmat é capaz de “evitar todos os sistemas antiaéreos modernos”. De relembrar que esta poderosa arma está incluída num conjunto de diversos mísseis apresentados em 2018, classificados como “invencíveis” por Vladimir Putin. Entre o restante armamento, incluem-se designadamente os mísseis hipersónicos Kinjal e Avangard.

Esta arma tem 35,3 metros de comprimento e pesa 220 toneladas. O Satan II vem substituir o R-36 ou Voevoda. Pode transportar até 15 ogivas nucleares e tem um alcance estimado entre 10.000 a 18.000 km. Relativamente ao Voevoda, este tem alcance de 10.200 a 16.000 km.

Um único míssil pode atingir uma série de alvos num só disparo.

Pplware
Autor: Pedro Pinto
22 Jun 2022


 

672: Revelados planos russos para tomar Ucrânia em 15 dias e instalar o terror com execuções públicas

INTERNACIONAL/UCRÂNIA/INVASÃO RUSSA

Mikhail Tereshchenko / EPA
O presidente russo, Vladimir Putin (E) ouve o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Russas, Valery Gerasimov (D).

A Rússia planeia tomar a Ucrânia em 15 dias, ou seja, até ao próximo domingo, 6 de Março, de acordo com alegados documentos secretos revelados pelas Forças Armadas da Ucrânia. Putin planeia controlar as principais cidades ucranianas e demover a resistência com execuções públicas.

Numa altura em que a Rússia ganha terreno a sul da Ucrânia, são divulgados os alegados planos russos para a ofensiva que preveem a conquista do país em 15 dias, ou seja, de 20 de Fevereiro a 6 de Março.

Estes documentos são publicados no Facebook pelo Comando de Operações das Forças Armadas Conjuntas da Ucrânia (COFACU) que garante que os planos foram aprovados a 18 de Janeiro passado.

“Graças às acções bem-sucedidas de uma das unidades das Forças Armadas da Ucrânia, os ocupantes russos perdem não apenas equipamento e força viva”, mas, “em pânico, também deixam documentos secretos”, aponta o COFACU na publicação na rede social.

O COFACU publica o que serão os “documentos de planeamento de uma das unidades do grupo táctico do batalhão 810.a”, da “brigada marinha da Frota do Mar Negro da Federação Russa”, incluindo “um mapa de trabalho, tarefas de combate, mesa de chamadas, mesas de sinais de controlo, mesas de gestão ocultas, lista de armazém de pessoal”, entre outros elementos.

Derrotar os ucranianos com execuções públicas

Entretanto, a jornalista da Bloomberg News Kitty Donaldson assegura que os serviços secretos da Rússia também têm planos para realizar “execuções públicas” logo que o exército russo passe a controlar as principais cidades ucranianas.

Uma estratégia para “desencorajar os ucranianos de lutarem” contra a ocupação, como refere.

A jornalista cita uma fonte da Inteligência Europeia e nota que os planos passam ainda pelo “controle violento das multidões” e por “detenções repressivas de organizadores de protestos” de forma a “quebrar a moral ucraniana”.

A Rússia continua a ganhar terreno às forças ucranianas e já controla a cidade estratégica de Kherson, no sul da Ucrânia, junto ao Mar Morto.

Contudo, os soldados de Putin têm enfrentado algumas dificuldades, sobretudo devido à resistência ucraniana, cujas forças armadas têm sido reforçadas por muitos civis voluntários.

Professores, atletas e até comediantes estrangeiros. Os irredutíveis ucranianos de armas na mão contra os russos

Ler mais

Mas há também algum espanto pelo facto de a Rússia não ter conseguido afirmar a sua superioridade aérea.

Pelo meio, começa a ser evidente alguma desmoralização das tropas russas e há rumores de que alguns soldados acreditavam que iam, apenas, fazer exercícios militares.

Mas no sul da Ucrânia, os russos estão a fazer valer a sua superioridade naval no Mar Negro. Ao mesmo tempo, mantêm a pressão sobre a capital Kiev e sobre a segunda maior cidade ucraniana, Kharkiv.

Nesta altura, Putin está a isolar a Ucrânia nas suas fronteiras a sul, a oeste e a norte, na confluência com os territórios russo e bielorrusso.

O país tem apenas a parte ocidental livre de tropas russas, nas fronteiras com Moldávia, Roménia, Hungria, Eslováquia e Polónia. Mas o plano russo também pode passar por entrar na Moldávia.

França: Putin pode chegar à Moldávia e à Geórgia
Ler mais

  Susana Valente, ZAP //
Susana Valente
3 Março, 2022

DOIS PSICOPATAS. UM JÁ MORREU O OUTRO AINDA ANDA POR CÁ