1069: NASA mostra-nos finalmente como irão dois astronautas viver em Marte (vídeo)

CIÊNCIA/ESPAÇO/MARTE

A missão que levará a humanidade a pisar Marte não está assim tão longe. Contudo, estaremos ainda a algumas décadas de formar uma base e ter pessoas lá permanentemente. Esta semana, a NASA divulgou um rascunho com uma ideia já esboçada de como será uma missão de 30 dias no Planeta Vermelho.

A nave que irá transportar os humanos até ao planeta será igualmente o seu lar, pousado no solo marciano.

São muitos os esforços já feitos para conceber uma nave que seja o transporte, mas que sirva igualmente de habitat durante a estadia para os astronautas. Como tal, o projecto terá de desenvolver um foguetão híbrido que junta a propulsão química e eléctrica.

O esquema da NASA para levar humanos a Marte mostra que seriam colocadas duas pessoas em órbita, enquanto outros dois astronautas desceriam à superfície num veículo terrestre de 25 toneladas.

Claro que ainda vemos esta realidade bem longe. No entanto, nunca é demasiado cedo para começar a preparar o próximo passo histórico no legado da exploração humana do espaço profundo.

NASA: astronautas vão precisar de tempo para se adaptarem à atmosfera de Marte

O projecto de alto nível identifica 50 pontos cruciais que se encontram sob quatro grandes categorias para a exploração humana, em geral – isto significa infra-estruturas na Lua e Marte, operações, e, claro, ciência.

O feedback que recebemos sobre os objectivos que identificámos informará os nossos planos de exploração na Lua e em Marte para os próximos 20 anos. Estamos a procurar dentro da NASA e junto de partes interessadas externas, ajuda para afinar estes objectivos e para sermos o mais transparentes possível ao longo de todo o nosso processo.

Disse Pam Melroy, Administradora Adjunta da NASA, no post do blogue da NASA.

O esboço de uma futura missão a Marte foi montado por Kurt “Spuds” Vogel, director de arquitecturas espaciais da NASA. Segundo ele, dois membros da tripulação poderiam sobreviver dentro de um rover pressurizado que poderia duplicar como habitat e veículo de exploração – permitindo a prossecução de objectivos científicos críticos.

Tornar viável uma missão à superfície de Marte

Conforme explicou Vogel, é importante e está nos objectivos da NASA maximizar a ciência. Isso irá permitir [aos astronautas] uma maior clarividência do ambiente por forma a gerirem o seu esforço e tempo. Poderão ter as rotinas bem preparadas para conseguirem explorar o planeta dentro dos seus fatos, o que irá maximizar a própria ciência nesses 30 dias.

Somado ao tempo de trânsito de e para a Terra, uma futura missão à superfície de Marte e de regresso poderia passar dois dos nossos anos – mas poderia também implicar um longo período de 500 dias à superfície, o que poderia significar quase 1.000 dias de distância do nosso planeta azul quente para futuros astronautas de um futuro não muito distante.

Naturalmente, 30 dias parece mais viável a muitos níveis: para além das óbvias tensões psicológicas de estar longe da Terra e num planeta completamente diferente, as necessidades logísticas e financeiras de longas estadias em mundos alienígenas podem revelar-se demasiado difíceis de gerir. Pelo menos, ao que parece, na nossa primeira viagem ao Planeta Vermelho.

Mais tarde, depois da base Lunar estar concluída e operacional na órbita da Lua, a NASA construirá o Habitat de Trânsito para fornecer abrigo aos astronautas na sua longa viagem histórica mundial a Marte.

Pplware
Autor: Vítor M.
19 Mai 2022


EU combati no mato, em África, na Guerra Colonial, durante quase dois anos,
os mercenários treinados por Cuba e armados, municiados e financiados
pela União Soviética (URSS) e China.

 

1013: Missão da Europa a Marte poderá ficar suspensa devido à guerra na Ucrânia

CIÊNCIA/MARTE/MISSÃO

Com a invasão da Ucrânia pela Rússia muita coisa mudou, e, ainda que indirectamente, estamos a sentir os seus efeitos. Por exemplo, esta é a razão para a missão a Marte, que a Europa tinha programada, ficar suspensa.

A estimativa aponta para uma suspensão que durará até 2026.

A missão da Europa a Marte não tem sido facilitada. Aliás, agora, de acordo com a Sky News, deverá ver-se suspensa durante vários anos, como resultado da invasão da Ucrânia pela Rússia.

O rover foi construído em Inglaterra e estava previsto ser lançado em Setembro, num foguetão russo. O objectivo, que passa por procurar elementos que provem que poderá existir vida em Marte, implica que a missão aterre no planeta vermelho – isto aconteceria através de um equipamento também facultado pela Rússia.

Assim como já aconteceu noutras situações, as sanções impostas à Rússia provocaram uma suspensão da missão que a Agência Espacial Europeia (em inglês, ESA) levaria a cabo. Até agora, esta ainda não propôs uma solução e, por isso, prevê-se que a missão seja suspensa até, pelo menos, 2026.

Segundo o director de exploração humana e robótica da ESA, David Parker, os estados membros da agência, incluindo o Reino Unido, poderão avançar com a missão, escolhendo outro parceiro, ou sozinhos. Afinal, na sua opinião, se é para ser realizada, tendo em conta o “investimento, o desenvolvimento tecnológico e a preparação e testes”, tem de o ser com a garantia de que vão ter sucesso.

Director de exploração humana e robótica da ESA, David Parker

Apesar de o objectivo ser a realização de uma missão exclusivamente europeia, Paker sugeriu que podem vir a falar com a NASA “para ver se há contribuições que eles possam dar”. Ainda assim, a ESA teria de dar conta de vários elementos que estariam a cargo da agência espacial russa.

Actualmente, o rover de nome Rosalind Franklin, em homenagem à pioneira britânica no entendimento do ADN, encontra-se em Turim, num espaço extremamente limpo, por forma a garantir que a missão não leva nada da Terra que possa contaminar Marte.

Pplware
Autor: Ana Sofia Neto
06 Mai 2022


Pelas vítimas do genocídio praticado
pela União Soviética de Putin, na Ucrânia
For the victims of the genocide practiced
by the Soviet Union of Putin, in Ukraine