792: Jaguar e estrelas do mar. Descoberto um dos mais curiosos túmulos aztecas de sempre

CIÊNCIA/ARQUEOLOGIA/ANTROPOLOGIA

Investigadores encontraram no México um estranho túmulo azteca com um jaguar e cerca de 160 estrelas do mar à sua volta.

Arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH), do México, fizeram uma bizarra descoberta no Templo Mayor, no coração da Cidade do México, anteriormente conhecida como Tenochtitlán, capital do Império Azteca.

A equipa de arqueólogos encontrou um ritual de oferenda com cerca de 160 estrelas do mar a envolverem o esqueleto de um jaguar. A descoberta foi partilhada no canal de YouTube do INAH.

As estrelas do mar eram dedicadas ao deus Huehueteotl-Xiuhtecuhtli, que representa tanto a água quanto o fogo, a agricultura e a guerra, explica a ARTnews.

Foram descobertas pela primeira vez em 2019, quando os arqueólogos encontravam repetidamente ossos do animal durante escavações na zona.

Os ossos aparentam pertencer todos à mesma espécie: Nidorellia armata, conhecida como “estrela pepitas de chocolate”, devido ao seu padrão característico. Entre a pilha de ossos de estrelas do mar foi revelado o esqueleto de um jaguar.

“É muito interessante porque, se pensar bem, o padrão da estrela do mar parece-se muito com a pele de um jaguar”, disse o arqueólogo Miguel Báez Pérez, referindo-se às manchas em comum entre os dois animais.

“Esta é provavelmente a razão pela qual eles escolheram esta espécie, mas ainda precisamos de fazer uma revisão exaustiva para confirmar que esta é a única espécie presente”, acrescentou.

“As ofertas contam-nos sobre a conquista de regiões marinhas, regiões costeiras e obviamente a extracção de materiais preciosos”, disse ainda Miguel Báez Pérez.

Daniel Costa
24 Março, 2022