1184: Festas populares podem resultar em 350 mil contágios directos

– Lá vêm eles novamente com as teorias da conspiração! [ironia 🙂 ]. Vê-se logo que a maralha da imagem está toda com máscara e respeitam os DOIS METROS de distância!

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/CONVID-19/INFECÇÕES/FESTAS POPULARES

A propagação do vírus será maior nas festas dos santos populares das duas maiores cidades do país, “onde poderemos ter um mínimo de 60 mil contágios nos dias mais movimentados em Lisboa e 45 mil no Porto.

© Gonçalo Villaverde / Global Imagens

As festas populares poderão resultar em 350 mil contágios directos no país, prevê o relatório do Instituto Superior Técnico (IST) sobre a pandemia da covid-19, que reforça a recomendação para o uso de máscara.

“Todas as festas populares no país poderão traduzir-se num total de contágios directos num mínimo de 350 mil, podendo atingir valores mais elevados se novas variantes entrarem em Portugal”, estima a análise de risco elaborada pelo grupo de trabalho do IST que acompanha a evolução da covid-19 em Portugal e que a agência Lusa teve acesso esta quarta-feira.

O documento antecipa também que o número de contágios pelo coronavírus SARS-CoV-2 “produzidos sem máscara, com os níveis actuais de susceptíveis de infecção, em eventos como o Rock in Rio seja de 40 mil no total“.

A propagação do vírus será maior nas festas dos santos populares das duas maiores cidades do país, “onde poderemos ter um mínimo de 60 mil contágios nos dias mais movimentados em Lisboa e 45 mil no Porto“, adianta o relatório produzido por Henrique Oliveira, Pedro Amaral, José Rui Figueira e Ana Serro, que compõem o grupo de trabalho coordenado pelo presidente do Técnico, Rogério Colaço.

“Reforçamos a recomendação do uso de máscara em grandes eventos de massas ao ar livre, em festas populares, em concertos e eventos em ambiente fechado, nos transportes públicos e em contexto laboral quando há proximidade entre trabalhadores inferior a dois metros”, alertam os especialistas do Técnico.

Segundo a avaliação do IST, com os dados de domingo, a mortalidade acumulada a 14 dias por um milhão de habitantes “é agora de cerca de 56”, valor que é 2,75 vezes mais do que o preconizado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) para a redução das medidas de controlo da pandemia.

“Este número, superior a 40 óbitos por dia em média a sete dias, é elevado e é superior à média diária anual de óbitos por doenças respiratórias pré-pandemia, que ronda os 33”, salienta ainda o documento, ao sublinhar que só a covid-19 “é responsável por mais óbitos do que todas as outras doenças respiratórias reunidas em média anual”.

O relatório do IST refere que a mortalidade apresenta uma “tendência ainda de subida, prevendo-se o pico para depois do dia 15 de Junho e até final do mês”, uma projecção que “pode falhar, por defeito, se os contágios devido às festas populares forem descontrolados ou se surgirem novas variantes”.

Os peritos do Técnico adiantam também que os dados indicam uma descida nominal dos casos testados, mas sublinham ter “dúvidas” sobre essa efectiva descida, tendo em conta que uma positividade dos testes acima dos 60% pode indiciar que existam “mais casos assintomáticos ocultos que contribuem para novos contágios”.

“Actualmente, com o défice de informação oficial, apenas a análise da mortalidade diária permitirá confirmar, nos próximos dias, a efectiva monitorização actual dos novos casos”, sublinha o documento.

Relativamente à sexta vaga, o relatório refere que o pico já terá sido ultrapassado, mas pode haver um “recrudescimento de contágios a partir das festas de Junho, admitindo que ainda existem 45% de susceptíveis à variante Ómicron no país”.

O grupo de trabalho do IST salienta que o período entre vagas pandémicas está entre 115 e 120 dias, o que deve levar as “autoridades de saúde a adaptar a sua estratégia a esta periodicidade”.

“Há uma indicação que no início de Setembro, com um erro de 15 a 20 dias, teremos o início de uma nova vaga pandémica”, referem os especialistas do Técnico, que estão a modelar os seus sistemas dinâmicos a factores como a perda de imunidade natural e adquirida com a vacinação contra a covid-19.

Face à actual situação do país, o Indicador de Avaliação da Pandemia (IAP) do IST e da Ordem dos Médicos está nos 81,4 pontos, acima do “nível de alarme”, valor que aconselha ao reforço da monitorização e a “passar a mensagem de que o perigo pandémico ainda não terminou, sobretudo com os festejos populares e grandes eventos de massas em Junho”.

O IAP combina a incidência, a transmissibilidade, a letalidade e a hospitalização em enfermaria e em cuidados intensivos, apresentando dois limiares: o nível de alarme, quando atinge os 80 pontos, e o nível crítico, quando chega aos 100 pontos.

“Se a hipótese da perda de imunidade se verificar, estas vagas vão se suceder de forma periódica ao longo dos anos. A única forma de quebrar estes ciclos será com vacinas de nova geração. A teoria e a história indicam também que as ondas pandémicas se irão atenuando ao longo dos ciclos repetidos até o vírus se tornar endémico”, conclui o relatório do grupo de trabalho do IST.

Diário de Notícias
Lusa/DN
08 Junho 2022 — 07:05


 

1120: Mais de metade dos portugueses contra fim do uso de máscaras

– Apenas os grunhos labregos rafeiros são contra o uso das máscaras, assim como continuam nas passeatas, festarolas de casamentos, baptizados, discotecas, etc., etc. e etc..

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/MÁSCARAS

Maioria continua a usar a protecção contra a covid-19. Satisfação com a forma como o país tem lidado com a pandemia é crescente, mas a situação ainda causa muita preocupação, sobretudo entre os mais velhos.

© Artur Machado / Global Imagens

Mais de metade dos portugueses está contra a decisão do governo de deixar cair a obrigatoriedade do uso de máscara de protecção contra a covid-19 nos espaços fechados. Muitos continuam a usá-la, sempre e às vezes, e só uma minoria (22%) admite que nunca a coloca. Apesar das críticas ao levantamento das máscaras, são cada vez mais os que consideram que Portugal tem lidado bem e muito bem com a pandemia.

A decisão de pôr fim às máscaras, com excepção dos serviços de saúde e transportes públicos, não agradou a 55% dos inquiridos na sondagem Aximage, realizada entre 19 e 24 de maio para o DN, JN e TSF. Outros 37% concordam com a decisão do governo e 8% não manifestaram opinião.

A maioria dos críticos é da região Norte, mas na Área Metropolitana do Porto, onde a pandemia também cresce a ritmo acelerado, há mais pessoas a concordar do que a discordar do alívio das máscaras. Olhando os grupos etários, salta à vista que são os mais velhos quem mais discorda do fim das máscaras. E o inverso também é notório: 49% dos inquiridos entre os 18 e os 34 anos acham que a decisão foi acertada.

22% nunca usam máscara

O comportamento dos portugueses parece acompanhar a crítica: 46% dos inquiridos garantem que continuam a usar sempre máscara e 32% referem fazê-lo às vezes. Apenas 22% dos inquiridos revelam que nunca usam máscara nos espaços onde já não é obrigatória.

Apesar de haver decisões que não convencem a maioria, são cada vez mais os portugueses satisfeitos com a forma como Portugal tem lidado com a pandemia: 49% consideram que o país tem estado “bem” e “muito bem”, 34% respondem “nem bem, nem mal” e 15% “mal ou muito mal”.

Comparativamente com os meses de Fevereiro e Julho do ano passado, há uma tendência crescente de respostas positivas e decrescente das negativas. A percentagem dos que respondem “nem bem, nem mal” não apresenta oscilações significativas.

As Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa, bem como o Sul do país e as ilhas, são as regiões mais satisfeitas com a evolução da pandemia em Portugal nos últimos meses.

Mais velhos pessimistas

Embora quase metade da população (47%) acredite que o pior período já passou, ainda há 13% que olham para o actual momento como o mais grave e 16% que crêem que o pior está para vir. As pessoas entre os 35 e os 49 anos são as mais confiantes – 57% acreditam que o pior já passou -, enquanto os mais velhos, a partir dos 50 anos, estão mais pessimistas: 40% acham que o futuro reserva piores dias.

Um pessimismo que encontra eco no nível de preocupação que os portugueses parecem sentir perante a actual situação da pandemia em Portugal e no resto do mundo: 68% dizem estar “bastante” e “muito” preocupados. O número é relevante, mas já foi pior.

Em Novembro de 2020, quando Portugal entrava na segunda vaga da pandemia e ainda não havia vacinas, 92% dos inquiridos manifestaram muita e bastante preocupação com a mesma.

Face ao anterior período em análise (Julho de 2021), há menos pessoas a admitir muita preocupação (de 45% para 17%) e mais a revelar “bastante” preocupação (de 45% para 51%). A percentagem dos que se dizem “nem muito, nem pouco” preocupados subiu de 5% para 18%.

FICHA TÉCNICA:

A sondagem foi realizada pela Aximage para o DN, TSF e JN, com o objectivo de avaliar a opinião dos portugueses sobre a pandemia. O trabalho de campo decorreu entre os dias 19 e 24 de maio de 2022 e foram recolhidas 805 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal. Foi feita uma amostragem por quotas, obtida através de uma matriz cruzando sexo, idade e região (NUTSII), a partir do universo conhecido, reequilibrada por género, grupo etário e escolaridade. Para uma amostra probabilística com 805 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,017 (ou seja, uma “margem de erro” – a 95% – de 3,45%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem, Lda., sob a direcção técnica de Ana Carla Basílio.

ines@jn.pt

Diário de Notícias
Inês Schreck
28 Maio 2022 — 09:00