3 dias sem transportes públicos…

Pensava eu que, depois de UM ANO E DUAS SEMANAS sem transportes públicos no troço de rua onde resido (Lisboa), o inferno tinha finalmente terminado.

Parvoíce minha porque este fim de semana (Sábado, Domingo e segunda-feira), o mesmo troço de rua encontra-se CORTADO, uma vez mais, aos transportes públicos (Carris), carreiras 712 e 742.

Os tipos da C.M.L. devem ter engraçado com este troço de rua, pois com tantas obras em sequência, dá para concluir esse contexto, já que esquecem-se que existem idosos, cidadãos com mobilidade reduzida, crianças e fregueses em geral, que precisam de continuar a fazer as suas vidas e têm de percorrer, nos dois sentidos (Meia Laranja até ao Largo da Triste Feia em Alcântara), alguns quilómetros a pé, com sacos de compras!

Nas traseiras do prédio onde resido, deparei-me com a tal grua que falaram e que provocou o corte da rua, ou seja, a versão é que o corte devia-se a ter de estabilizar uma grua. Não sei com que finalidade, mas veremos se são apenas 3 dias…

Ficam as imagens dessa grua:

 

10: Insígnia de Ex-combatente

A insígnia nacional é um símbolo identitário da situação de Antigo Combatente das Forças Armadas portuguesas.

É permitido o uso desta insígnia, em traje civil, a todos os Antigos Combatentes identificados no Estatuto do Antigo Combatente (artigo 5º do Anexo I da Lei). Os Antigos Combatentes em serviço activo ou na situação de reserva podem usá-la nos seus uniformes.

A portaria que aprova o modelo e legenda desta insígnia foi publicada, em Diário da República, 4 de Janeiro de 2021.​

 

“Friends”, o reencontro. Isto foi o que eles mostraram (contém spoilers)

Elenco da série “Friends”, criada em 1994, voltou a reunir-se. E isto é o que se pode ver na HBO Portugal.

A série “Friends” criada em 1994, que manteve milhões de telespectadores em todo o mundo, volta esta quinta-feira com um novo episódio que já se encontra disponível na HBO Max. O lançamento é a partir do serviço de streaming HBO Max e está disponível em Portugal. Apesar de terem existido complicações nas filmagens devido à pandemia covid-19, o episódio que o mundo aguarda chegou.

“Friends: The Reunion”, os seis atores estão novamente juntos publicamente pela primeira vez desde 2004, ano do fim da série. O novo episódio conta com o elenco principal, David Schwimmer (Ross Geller, na série), Lisa Kudrow (Phoebe Buffay), Jennifer Aniston (Rachel Green), Matt LeBlanc (Joey Tribbiani), Courteney Cox (Monica Geller) e Matthew Perry (Chandler Bing).

O episódio tem uma hora e 39 minutos e conta com vários temas, brincadeiras entre os actores como, leituras de mesa, jogos com perguntas e respostas, desfiles de moda, excertos dos episódios antigos e entrevistas com celebridades.

Uma das três principais cenas do episódio é ver o elenco a passear pelo estúdio numa troca de memórias, onde filmaram durante 10 anos consecutivos. Courteney Cox (Monica Geller na série) costumava escrever as falas dos episódios na mesa da cozinha do “apartamento”, local emblemático da série.

Primeiras impressões dos actores

“Tudo parece pequeno, o estúdio no geral”, refere Matt LeBlanc. “Isso é impossível, porque nós não crescemos”, responde Jennifer. LeBlanc com o seu tom de comédia lança uma piada, com timing perfeito: “Fala por ti”.

“Há temporadas que nunca vi”, admite Kudrow, personagem Phoebe na série. “O Michel (marido da actriz) e eu assistimos a alguns episódios da quarta temporada. Ele gosta mais de ver do que eu. Fico atormentada quando me vejo”, diz Lisa demonstrado que não gosta de se observar no grande ecrã.

Matthew Perry provavelmente foi o que teve menos tempo de ecrã durante a reunião comparativamente ao resto dos actores, e quando o trailer foi lançado, alguns fãs expressaram preocupação com a aparência e fala do actor (as lutas anteriores contra os vícios foram documentadas). Perry fala de maneira comovente sobre o quão afectado foi em algumas partes na série e mostrava que agradecia e que se importava com o apoio do público.

O episódio começa com o elenco principal da série a recordar todo o cenário e a ver os detalhes de produção, como a emblemática porta roxa e prossegue para a entrevista oficial apresentada por James Corden com o elenco, ao vivo, e com público, mas com as devidas distâncias de segurança. A entrevista conta com a presença de Cara Delevingne que desfila (modelo e actriz) usando uma fantasia alusiva à série, Justin Bieber (cantor) onde entra como “Spudnik”, (a imitar a personagem Ross com fato espacial) e Cindy Crawford (actriz, modelo e cantora) que usa as calças de couro da personagem representada por Schwimmer. David Beckham (ex-futebolista) aparece também no episódio.

“Friends: the Reunion” está disponível na HBO Max em Portugal, nos Estados Unidos, e em HBO Portugal.

Diário de Notícias

DN

 

8: Nos limites da (des)obediência

Os 26 jovens, entre os 17 e os 28 anos, detidos numa recente acção de protesto junto ao aeroporto de Lisboa recolocam a necessidade de responder à pergunta formulada por Henry David Thoreau em 1849: estarão os cidadãos obrigados a abdicar da sua consciência perante leis e actos de governo que violam direitos humanos fundamentais? Thoreau tinha-se recusado a pagar impostos como forma de protesto contra a escravatura nos EUA. Por isso foi encarcerado em 1846. O título original do ensaio onde Thoreau pensou essa experiência intitulava-se Resistência ao Governo Civil, mas as edições póstumas imortalizaram as suas ideias sob a designação de “desobediência civil”. Os 26 jovens, acusados de “desobediência qualificada”, nessa acção promovida pelo movimento cívico Climáximo (centrado na luta contra as alterações climáticas), recusaram ficar pelo julgamento sumário. Fizeram bem. Isso permitirá uma apreciação substantiva da sua causa nos tribunais, ultrapassando o filtro amnésico da voragem dos dias.

O que é que está em causa no protesto desses jovens? A acusação de que as políticas públicas em Portugal (e a nível global) não estão a fazer o suficiente para combater a escalada de impactos negativos que as alterações climáticas já estão a provocar. Uma demonstração parcial disso encontra-se no privilégio conferido ao transporte aéreo (que se estima ter contribuído em 6% para as emissões de gases de efeito estufa em 2019). Na verdade, em toda a UE as companhias aéreas continuam a não pagar impostos sobre o combustível e não precisaram da “bazuca” europeia para serem resgatadas pelos Estados, com custos pesados para o erário público. No caso português, a teimosia em construir um novo aeroporto em contra-ciclo, e violando regras básicas de protecção ambiental e de segurança aérea, torna o quadro ainda mais sombrio. Por outro lado, basta olhar para o desprezo a que a ferrovia – o menos poluente dos modos de transporte – tem sido votada, para perceber que o protesto não carece de fundamento. Em acréscimo, hoje, a cidade do Porto será testemunha da hipocrisia institucional face às alterações climáticas. A deslocação de 16 500 fãs de dois clubes ingleses que cá vêm disputar uma final do futebol europeu, além de ser uma agressão ambiental e um risco sanitário, é uma atitude de subserviência que nos envergonha (Londres recusou o jogo dos seus dois clubes devido à pandemia!). Por outro lado, apesar de toda retórica do Pacto Ecológico Europeu, os pequenos gestos traem a falta de sinceridade dos compromissos. Como se compreende que o Parlamento Europeu continue a fazer 12 viagens anuais, de armas e bagagens, entre Bruxelas e Estrasburgo, com todos os custos ambientais e económicos a que tal nomadismo irracional obriga?

Há semanas, Faith Birol, o director da oficialíssima Agência Internacional de Energia, alertava para o facto de que só neste ano o aumento da procura de carvão cresceu mais de 60%, esmagando os ganhos das energias renováveis. As emissões de gases de efeito estufa no final do ano aumentarão em 1,5 mil milhões de toneladas, roçando os valores pré-pandémicos de 2019.
O regresso à “normalidade”, por este caminho, acentuará o princípio de destruição mútua assegurada que comanda o capitalismo carbónico dominante. Quando os 26 jovens responderem pelo seu gesto em defesa do direito à vida, para si e para as gerações futuras, perceberemos que os verdadeiros criminosos não são aqueles que se sentam no banco dos réus.

Professor universitário

Diário de Notícias

Viriato Soromenho-Marques

 

Um mau exemplo. “Se não cumprimos as regras a situação pode descontrolar-se”

Bastonário da Ordem dos Médicos avisa que não pode haver facilitismos até que 60 a 70% da população esteja vacinada. Epidemiologista Carmo Gomes pede testagem em massa a quem esteve nos festejos do título leonino.

(ler notícia em: Diário de Notícias)

Quer sejam manifestações em massa, sejam, elas de que tipo forem, ou em escala reduzida, o que está estabelecido é a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas.

E esta determinação da DGS NÃO ESTÁ A SER CUMPRIDA! Então para que serve legislar se as leis não se cumprem? Faz lembrar o Código da Estrada que não é cumprido pelos automobilistas, apesar de estes terem efectuado o respectivo exame de Código, tal como estacionamento selvagem em cima dos passeios, das passadeiras, das paragens dos transportes públicos, bloqueio de portas de prédios, etc…

Sem qualquer pudor ou sentido de responsabilidade, a irracionalidade, a falta de cidadania e de civismo, imperam na organização de passeatas, com um grupo de gente que não respeitou as directrizes sanitárias, desde o início da actual pandemia do COVID-19, apenas tendo uma ligeira paragem mas recomeçando de novo no Domingo passado, em pleno Estado de Calamidade nacional!

E quando estas passeatas são organizadas e promovidas por um médico, “especialista” em medicina familiar, nada mais há a acrescentar, a não ser o rebanho que continua a seguir o seu “pastor” sem medir as consequências nefastas que dessas passeatas podem acontecer.

É o Portugal dos Pequeninos que actualmente existe, acéfalos sem qualquer noção do perigo em que incorrem, além de prejudicarem terceiros que sempre cumpriram as directivas sanitárias.

Multa-se a torto e a direito, muitas delas sem justificação, deixa-se andar esta gajada à balda, sem qualquer impedimento, por parte das autoridades competentes.

 

Finalmente… fui à rua!

 

Quase UM ANO depois, saí da “toca” a que me submeti VOLUNTARIAMENTE.

Hoje, fui à rua, tratar do meu CC, devidamente PROTEGIDO não só pessoalmente, como para com terceiros. É que eu prezo muito o respeito que os meus concidadãos merecem, embora a maior parte deles não mereçam.

CUMPRINDO as directivas da DIRECÇÃO GERAL DE SAÚDE e os decretos da governança, sobre “DEVER DE RECOLHIMENTO DOMICILIÁRIO”, em pleno ESTADO DE CALAMIDADE NACIONAL, penso que cumpri a minha OBRIGAÇÃO como cidadão deste País.

Protegi-me e protegi os outros, coisa que muita gente não faz. É que tenho a “mania” de ser CUMPRIDOR das leis do meu País, apesar de não concordar com algumas, mas se elas estão vigor, quer se goste ou não delas, é para SEREM CUMPRIDAS.

E já agora, aproveito para informar que a partir desta data, este registo do FB servirá apenas para publicar os artigos dos meus Blogues. Cheguei à conclusão que não tenho tendência, nem pachorra, para pregar no deserto.

Publicado no Facebook em 11.05.2021

 

4: Informação

Este Blogue esteve parado quase dois anos dado que possuo vários Blogues que ocupam a maior parte do meu tempo disponível, embora esteja na situação de “reformado”.

Vou tentar dar continuidade a este projecto, onde relatarei as “atrocidades” cometidas pelo lixo social que infelizmente chafurda por aí.

13.Mai.2021