609: Izaña-1 usará tecnologia laser para empurrar o lixo espacial para fora da órbita

TECNOLOGIA/LIXO ESPACIAL

O lixo espacial está na ordem do dia e é uma preocupação crescente, face à quantidade de satélites abandonados existentes em órbita da Terra, assim como outro tipo de detritos, deixado pelas naves espaciais. A dúvida e dificuldade é saber como se vai limpar o espaço. A Agência Espacial Europeia (ESA), com o Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC), têm um plano ambicioso para eliminar estes detritos.

As agências elaboraram uma ideia com base em tecnologia laser. A intenção não é destruir, é sim empurrar o lixo espacial para fora da órbita. O vídeo apresentado é muito esclarecedor.

Lixo espacial será um grande problema para a indústria espacial

A ESA disponibilizou os recursos para realizar operações na estação de telemetria a laser Izaña-1 (IZN-1), em Tenerife, Espanha. Este será o primeiro projecto do género que permitirá desviar fragmentos de detritos espaciais da sua órbita, evitando colisões catastróficas.

Durante vários anos, estas duas agências já cooperaram recorrendo à Estação Terrestre Óptica (OGS). Este observatório está localizado a uma altura de 2.400 metros acima do nível do mar e é capaz de realizar operações de envio e recepção de laser.

Após vários meses de testes difíceis, parece que a estação de telemetria a laser Izaña-1 está pronta para começar a operar. É uma bancada de testes de tecnologia e, além disso, é o primeiro passo que poderá permitir a democratização deste tipo de progresso em todo o mundo.

Isso pode levar à mitigação do risco de detritos espaciais por agências interessadas em todo o mundo. Esta tecnologia foi desenvolvida pela empresa alemã DiGOS.

Como usar o laser para eliminar o lixo do espaço?

Conforme é referido no comunicado da agência, a estação de telemetria a laser Izaña-1 apontará os seus lasers para o céu a partir do Observatório do Teide.

A partir daí, os referidos feixes de luz irão procurar os satélites e fragmentos de detritos espaciais; medindo assim a sua trajectória e posição. Claro, haverá todo o cuidado para o processo evitar colisões entre lixo e satélites.

Embora os lasers actualmente utilizados pela Izaña-1 tenham uma potência de 150 mW, a intenção da ESA é ir mais longe. Neste momento, a estação só pode seguir satélites equipados com reflectores, mas a ESA quer incorporar um laser infravermelho que atinja 50V.

Isto permitir-lhe-ia detectar detritos vitais e satélites mais antigos sem reflectores.

Por outro lado, de acordo com a informação oficial fornecida pela agência, os lasers mais potentes teriam também outra função. Com esta tecnologia, Izaña-1 poderia utilizar os feixes de luz para desviar ligeiramente a órbita dos detritos espaciais e evitar colisões.

Os lasers da estação também poderão ser utilizados para comunicações ópticas com satélites, funcionando como um cabo de fibra óptica de longo alcance no espaço.

A tecnologia utilizada em Izaña-1 servirá de trampolim para o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis, tais como a transferência do impulso do laser, bem como a coordenação do tráfego espacial. Além disso, embora já existam várias estações de rastreio laser em toda a Europa, as novas capacidades fornecidas pela Izaña-1 catapultam-na como a primeira do seu género.

Com o programa de Segurança Espacial, espera-se que muitas mais destas estações cheguem ao resto do mundo.

Outro trunfo deste projecto é que a estação laser Izaña-1 pode funcionar independentemente da hora do dia. Devido a isto, terá alguns sistemas de segurança que lhe permitirão evitar a incidência de lasers com voos comerciais e outros projectos espaciais. Desta forma, não há perigo real para os seres humanos no solo, no ar ou no espaço.

Pplware
Autor: Vítor M.
19 FEV 2022