1240: Descoberto um buraco negro super-massivo que come uma Terra a cada segundo

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Uma equipa de investigadores da Universidade Nacional Australiana acredita ter encontrado um buraco negro super-massivo que consome o equivalente a uma Terra a cada segundo e tem uma massa de 3 mil milhões de sóis, número que é 500 vezes maior que Sagittarius A*, o buraco monstruoso no centro da nossa galáxia que viu recentemente revelada uma primeira imagem.

Dizem os especialistas que foi descoberto o buraco negro de crescimento mais rápido dos últimos nove mil milhões de anos.

Buraco negro deste tamanho é um flash no escuro

Através do SkyMapper Southern Sky Survey, um telescópio de 1,3 metros em Nova Gales do Sul, os investigadores descobriram um quasar extremamente brilhante: 7000 vezes mais brilhante do que toda a luz da Via Láctea. Um quasar é um fenómeno muito específico relacionado com os “jactos massivos” associados aos buracos de discos de acreção.

O estudo está actualmente a ser revisto, mas se confirmado, será uma bomba.

O tamanho não é tudo

Analisando este quasar, os investigadores perceberam que os dados não batem certo. Segundo os autores, “a luz que estamos a ver deste buraco negro crescente tem vindo a viajar até nós há cerca de 7 mil milhões de anos” (o Big Bang ocorreu há cerca de 13,8 mil milhões de anos). É um tempo muito curto para um monstro assim.

Existem outros buracos negros de tamanho semelhante, “mas todos eles tendem a ser muito mais antigos na história do universo, onde as fusões entre galáxias eram muito mais comuns”, explicou Christopher Onken. Se os dados forem confirmados, este seria o buraco negro de crescimento mais rápido nos últimos 9 mil milhões de anos.

Um buraco negro gigante: Como é que nunca o vimos antes?

Como os próprios investigadores admitem, “as pessoas têm procurado estes buracos negros crescentes desde o início dos anos 60”. Localizámos cerca de 880.000 deles. Como é possível que algo tão brilhante tenha sido negligenciado?

A explicação que eles dão está relacionada com o céu nocturno.

Historicamente, as pessoas têm evitado olhar muito de perto para o plano da Via Láctea porque há tantas estrelas e tantos poluentes que é muito difícil encontrar qualquer coisa. Sem ir mais longe, muitas procuras param de olhar a 25 graus… quase todas param a 20 graus do plano da Via Láctea. Este objecto está a 18 graus.

Referiu Christopher Onken.

Tão grande que pode ser “visto” por astrónomos amadores

O J1144, como é chamado o quasar, é suficientemente brilhante para ser visível para os astrónomos amadores.

Se quiser vê-lo a olho nu, provavelmente precisa de um telescópio de 30-40 cm de largura, mas é mais do que possível.

 

Explicou Onken.

Foi submetido à revista Publications of the Astronomical Society of Australia um artigo que detalha a descoberta, mas ainda não foi revisto pelos pares. Uma versão pré-impressa está disponível através da base de dados da arXiv.

Pplware
Autor: Vítor M
18 Jun 2022