Hoje, é o Dia do Combatente…

Para mim, que excluo dias disto e dias daquilo porque todos os dias são dias para celebrarmos algo sem termos de obedecer à sociedade consumista em que vivemos, gostaria que os Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar, fossem mais reconhecidos pelos sacrifícios efectuados em terras longínquas e em teatros de guerra que não lhes diziam absolutamente nada.

A grande maioria de mancebos que foi obrigatoriamente recrutada para carne para canhão pelo regime fascista de Oliveira Salazar, muitos deles chefes de família, com pessoas a cargo e deles dependentes para a sua sobrevivência, quando embarcavam para esses destinos, nunca sabiam se os voltariam a ver.

Depois de mais um ano de aprovado o Estatuto do Combatente, lá se dignaram oferecer umas migalhas por esses “serviços” prestados à Pátria: isenção de taxas moderadoras, transportes gratuitos, entrada gratuita em museus, um pin de ANTIGO COMBATENTE e a condição de Titular do Reconhecimento da Nação.

Não chega para o tremendo sacrifício que todos esses jovens fizeram na época, a grande maioria deles regressando com mazelas psicológicas (SPTG – stress pós traumático de guerra) e físicas e outros que infelizmente nem regressaram às suas Famílias.

Por isso e prestes a comemorar-se o 50º. aniversário do 25’Abr’74, seria oportuno que o Estado desse mais alguma coisa a todos esses jovens, hoje idosos com 70 e mais anos de idade – que nunca pagaria o sofrimento causado pela guerra -, mas que contribuiria para amenizar um fim de vida digno.

Aos camaradas mortos em combate, desejo que repousem em Paz; aos camaradas que chegaram fragilizados psicológica e fisicamente, desejo a maior força possível para que o que resta das nossas vidas tenha um mínimo de dignidade e que quem de direito, não continue a esquecer-se de nós.

Francisco Gomes
09.04.2022


Pelas vítimas do genocídio praticado
pela União Soviética na Ucrânia