467: Afinal, quão mortífera é a areia movediça?

CIÊNCIA/FÍSICA

(CC0/PD) Greg Gulik / pexels

Apesar de ser perigosa, a areia movediça não é tão assustadora como os filmes a fazem parecer. Geralmente, as pessoas não se afundam para além da cintura.

Quantos de nós já viram filmes em que a areia movediça é uma armadilha mortal para o protagonista? A ficção alimentou a ideia de que esta areia é uma sentença de morte mas, afinal, o perigo não é assim tanto, nota o Interesting Engineering.

A areia movediça é definida pelo Merriam-Webster como uma “massa profunda de areia misturada com água em que objectos pesados se afundam rapidamente”. Assim, é um tipo de colóide – uma mistura especial de partículas insolúveis dispersadas microscopicamente suspensa noutra substância, como água.

A sua formação acontece quando areia solta saturada é agitada de repente e a suspensão de água não consegue escapar. Os colóides não seguem as regras da física normais e, tal como a pasta de dentes ou alguns xaropes, parecem sólidos inicialmente, mas fluem quando lhes é aplicada alguma pressão

Esta pressão é o que acontece quando alguém tropeça sobre areia movediça, com o choque do seu peso a destruir o frágil equilíbrio entre a areia ou lama e a água. A areia começa a separar-se da água, o que leva a que a areia molhada não suporte o peso da pessoa, que se começa a afundar.

Caso a pessoa fique calma, eventualmente o equilíbrio da areia movediça vai ser restaurado, o que impede que se afunde mais. No entanto, quem entra em pânico e se começa a mexer para tentar escapar vai perturbar o sistema e piorar a situação.

A formação da areia movediça é mais provável em certos locais, como cavidades na foz de um rio grande, em partes planas no fluxo de água, praias onde pequenas piscinas fiquem parcialmente cheias com areia e lugares onde uma camada de argila seca previna a drenagem.

As leis da física protegem-nos

Mas ao contrário do que se possa pensar, cometer o erro de pisar areia movediça não significa automaticamente que se vai morrer afundado, pelo contrário, já que é muito difícil uma pessoa ficar completamente submersa.

Apesar de ser perigosa, a areia movediça não pode desafiar outras leis da física – mais especificamente a flutuabilidade.

A densidade da mistura entre a água e a areia que forma a areia movediça excede a do corpo humano, por isso não é fácil uma pessoa afundar-se completamente. A densidade da água, por exemplo, é de 1 kg/L.

O corpo humano é maioritariamente feito de água, mas também tem outros materiais mais densos, como músculo. Mesmo assim, a densidade do corpo humano não é muito diferente da da água, sendo de cerca de 1,010 kg/m3.

Por esta razão, caso alguém pise areia movediça e não tente resistir, o mais provável é que não se afunde além da cintura. A profundidade da maioria dos lugares com areia movediça também não é muito grande, pelo que a maioria dos adultos consegue ter pé quando se afunda pela cintura.

Teoricamente, continua a ser possível alguém morrer nestas situações, especialmente se perder o equilíbrio e cair completamente na areia movediça, podendo afogar-se, mas estes casos são muito raros.

Uma experiência de um especialista da Universidade de Amesterdão dedicou-se a tentar entender melhor a areia movediça sem colocar ninguém em risco. Para isso, o físico Daniel Bonn recolheu uma amostra e usou missangas de alumínio com uma densidade semelhante à do corpo humano para estudar o que acontece.

O perito simulou o que acontece quando as pessoas se mexem muito ao abanar as missangas e notou que estas se afundaram um pouco mais. Eventualmente, quando a água e a areia se voltam a misturar, as missangas começam a voltar à superfície.

Como escapar à areia movediça?

Para se escapar à areia movediça, a primeira dica é, como já foi referido, não entrar em pânico e evitar movimentos bruscos que disturbem mais a mistura. Uma boa ideia é também tentar controlar a respiração, o que aumenta a flutuabilidade e também ajuda a pessoa a manter a calma.

Caso se esteja a carregar coisas pesadas, como uma mochila ou um casaco, é uma boa ideia tentar tirá-las e atirá-las para uma parte onde o chão é sólido. No entanto, as bengalas ou bastões de caminhada podem ser úteis, já que ajudam a melhorar a flutuabilidade e facilitam a saída da areia.

Deve também manter-se a cabeça e os braços acima da areia, para se poder agarrar a alguma coisa que ajude à saída. Na possibilidade de haver alguém a ajudar, deve puxar a pessoa que se está a afundar lentamente.

O risco de afogamento também aumenta imenso quando a pessoa se deita de barriga para baixo, pelo que a pessoa deve tentar deitar-se de costas muito lentamente e tentar libertar as pernas com pequenos movimentos.

Assim, se alguma vez se encontrar na mesma situação que Indiana Jones, já tem um guia para como escapar as estas areias traiçoeiras.

via GIPHY

  Adriana Peixoto, ZAP //
Adriana Peixoto
30 Janeiro, 2022

 

Web designer
Computer Programmer