1141: Sobe para 119 o número de casos de infeção humana por vírus ​​​​​​​Monkeypox em Portugal

SAÚDE PÚBLICA/MONKEYPOX/INFECÇÕES

Foram confirmados mais 19 casos de infeção humana por vírus Monkeypox, indica a Direção-Geral da Saúde. A maioria das infeções foi reportada em Lisboa e Vale do Tejo.

© Global Imagens Arquivo

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) confirmou esta quarta-feira mais 19 casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal, o que faz com que haja, até ao momento, 119 infeções identificadas.

A maioria foi reportada, “até à data, em Lisboa e Vale do Tejo, mas também há registo de casos nas regiões Norte e Algarve”, refere a DGS, em comunicado.

A autoridade nacional de saúde dá conta que “todas as infeções confirmadas são em homens entre os 20 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos”, indicando ainda que os novos casos foram confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

“Os casos identificados mantêm-se em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis”, informa a DGS, dirigida por Graça Freitas, referindo que a informação recolhida através dos inquéritos epidemiológicos está a ser “analisada para contribuir para a avaliação do surto a nível nacional e internacional”.

O vírus Monkeypox foi identificado em macacos em 1958 e identificado pela primeira vez em humanos em 1970.

O contágio implica “contacto próximo” com uma pessoa afetada, nomeadamente contacto face a face ou pele com pele, e o vírus também se consegue transmitir através de contacto com objetos em que esteja presente.

Os casos suspeitos de infeção pelo vírus Monkeypox (VMPX) devem ser referenciados rapidamente para observação médica, definiu na terça-feira a DGS, ao avançar que os contactos assintomáticos podem continuar a manter as suas atividades diárias.

“Perante uma situação de suspeita clínica de infeção humana por VMPX, qualquer pessoa pode contactar o SNS24 para ser referenciada, rapidamente, para observação médica no serviço de urgência ou numa consulta de cuidados de saúde primários”, refere uma norma da DGS que define as regras de abordagem clínica e epidemiológica de casos de infeção humana por vírus Monkeypox.

Segundo o documento, a abordagem terapêutica depende da avaliação clínica individual do caso e, considerando que a maioria dos casos de doença requer cuidados em ambulatório, o tratamento é de suporte sintomático, ou seja, hidratação, analgésicos e antipiréticos.

A DGS avança ainda que a indicação e a possibilidade do uso de antivirais, caso do tecovirimat, estão a ser avaliadas em conjunto com as agências nacionais e internacionais e os parceiros europeus e que, atualmente, não existe aprovada em Portugal, nem na Europa, uma vacina contra a infeção humana por VMPX.

A vacina contra a varíola (smallpox) mais recente foi aprovada na União Europeia em julho de 2013 para conferir proteção em adultos e, já em setembro de 2019, nos Estados Unidos da América foi aprovado o seu uso contra a infeção humana por VMPX, com base em estudos que demonstraram que, pelas suas propriedades, tem capacidade protetora contra outros vírus da mesma família.

“Em Portugal, a coordenação do Programa Nacional de Vacinação (PNV), a Comissão Técnica de Vacinação e o INFARMED estão a avaliar, em articulação com as autoridades europeias e internacionais competentes, os aspetos inerentes à autorização, aquisição, disponibilidade e indicações da vacina contra a varíola (smallpox), para uso desta vacina contra a infeção humana por VMPX”, refere a orientação.

A DGS refere também que, na vigilância de sinais e sintomas, o contacto de um caso suspeito, provável ou confirmado deverá estar atento ao aparecimento de cefaleia, febre, calafrios, odinofagia (dor ao engolir alimentos), mal-estar, fadiga, erupção cutânea e adenomegalias.

Abstinência sexual e desinfeção de vestuário entre as recomendações da DGS

Já os contactos assintomáticos podem “continuar as atividades diárias rotineiras, como trabalhar e frequentar a escola”, mas, durante o período de vigilância, é recomendado que evitem viagens longas e grandes distâncias para que “possa ser mais exequível e mais rápido o isolamento, na eventualidade de aparecimento de sinais e ou sintomas”.

“O período de contágio correlaciona-se com o início de sintomas, pelo que não será necessário o isolamento dos contactos enquanto assintomáticos”, adianta ainda a orientação da autoridade de saúde.

Quanto às medidas de saúde pública, a DGS recomenda que, perante um caso suspeito, provável ou confirmado, deve proceder-se ao isolamento e manter o distanciamento físico até à resolução das lesões (queda das crostas), assim como privar-se de permanecer no mesmo espaço se coabitar com crianças pequenas, grávidas e pessoas imunodeprimidas.

Entre outras medidas, deve ainda ser mantida abstinência sexual e privação de contactos próximos (coabitantes e familiares próximos), garantida a higienização e desinfeção de objetos de uso pessoal, vestuário, roupas de cama, atoalhados e superfícies do espaço doméstico e limpas as superfícies duras com detergentes com cloro e deixando secar ao ar.

A orientação recomenda que se evite o contacto próximo com animais domésticos e outros animais, em especial roedores, e que se lave o vestuário e têxteis com água quente e detergentes habituais, ou, quando possível, numa máquina de lavar acima dos 60 graus centígrados, utilizando um ciclo de lavagem prolongado.

Esta é a primeira vez que um surto de VMPX é detetado em Portugal, num contexto de ocorrência de casos a serem reportados por vários países desde o início de Maio.

O período de incubação varia entre cinco e os 21 dias, sendo em média de seis a 16 dias e os sintomas iniciam-se com febre, cefaleia, astenia, mialgia ou adenomegalias, aos quais se segue o aparecimento do exantema (erupção cutânea).

A transmissão de pessoa para pessoa geralmente verifica-se por contacto próximo com um doente, especialmente face a face sem proteção adequada, e no contexto de relações que impliquem contacto íntimo e prolongado, refere a DGS.

“Embora o contacto físico próximo seja um fator de risco bem conhecido para a transmissão, não está claro, neste momento, se o VMPX pode ser transmitido, especificamente, por via sexual. Estudos adicionais são necessários para esclarecer esta via de transmissão”, adianta ainda a orientação.

Com Lusa

Diário de Notícias
DN
01 Junho 2022 — 11:20


 

Please follow and like us:
0
fb-share-icon20
20